quinta-feira, 31 de julho de 2008

Olá a todos e sejam bem vindos a este nosso espaço .


O objectivo deste blogue não se prende com o desfile gratuito de palavras "difíceis" ou sequer com frases eurekadas que debitem uma qualquer suprema e absoluta verdade do espírito, da alma ou da realidade que a todos envolve. Este espaço pretende falar de tudo o que não seja dito de animo leve, tudo o que se esconde dentro das nossas entranhas na vergonha de encontrar cá fora um eco vazio ou pior, um eco de insuportável troça. Faço isto porque sei que existe, em cada um de nós silêncios forçados, palavras, conceitos aprisionados que nunca tiveram a oportunidade de ser expostas, partilhadas, e certamente admitidas devido à ausência de comunicação satisfatória que nos permita a segurança de ser o que temos dentro. Dilacerados pela célebre condição humana que tanto nos faz calar, quantas ideias geniais não se perderam, perdem e perderão para sempre ao calar, ideias que mudariam o mundo, a vida de alguém, a nós...

É por elas que crio este blogue, é por elas que vos peço: libertem-se de tudo o que aprisionam dentro, para nós é necessário e para vós essa clausura é sofrimento .

enviem-me as vossas angustias, os vossos projectos, as vossas vontades e sintam a sua força, a força do seu nascimento . Tenham a coragem de ser vós !

Contacto: Telmo Coelho
MSN: lhommemachine@hotmail.com (abusem)



Beijos e Abraços


Telmo Coelho

2 comentários:

Fiat Lux disse...

Viva rapaz!
Grande iniciativa...
Infelizmente, peguei agora no computador para trabalhar no duro, e por isso não tenho tempo para dar início a uma descarga, vulgo "diarreia cerebral" de expressões, vontades e desabafos que este lugar desperadamente anseia!
Espero voltar cá em breve.
Fica bem.
Espero que aqui apareçam muitos, interessantes e diferentes seres deste lugar quem alguém denominou de "mundo", ou para mim: apenas um lugar fodido de viver!!!

Anónimo disse...

Ora olá...

Há sempre um lugar exposto no "corpo da alma"... Encontraste o teu! Espero que não te sentes confortavelmente no teu espaço e deixes apenas que as palavras venham até ti. Vai até cada orelha cansada e grita o teu próprio ser.
Espalha vento...

Da desaparecida companhia de tardes de trabalho.
Bjs
Lu